segunda-feira, junho 27, 2005

Para a frente, para cima...


porque muitas vezes mais vale olhar para o céu em procura de paz, para que possamos esquecer a raiva que cresce dentro de nós. Posted by Hello

8 comentários:

milocas disse...

Não é para esquecer... é para não permitir sequer que ela venha a crescer.

Olho muitas vezes o céu, só porque me abisma a sua imensidão ;)

ruben disse...

Já agora de noite ou de dia? Qual perferes?

milocas disse...

Não fosse eu "filha" da Noite... :)mas adoro o amanhecer (porque me preenche), o anoitecer (porque me acalma), o intermédio (porque ando sempre a brincar com as nuvens)...sei lá!
Adoro ver a mudança de tons de arco-íris que o céu me dá :)

ruben disse...

Talvez sejamos "irmãos" por parte da "mãe" e nem sabiamos. lol

O céu penso que é uma matéria prima inesgotável, e altamente rentável, pela simples razão de que é quase impossivel olha-lo e vêr duas vezes a mesma imagem...é altamente inspirador :)

milocas disse...

Não há solidão quando se olha o céu... Posso até saber que estou sozinha em casa, na rua deserta, mas talvez tenha a certeza de que partilhamos o mesmo céu... e isso seja talvez o pouco que me basta pra o olhar em silêncio ;)

Tanto mais poderia dizer, mas foi desta que me lembrei agora...
Beijokas*

Prazer, filho da Noite, irmão meu :)

ruben disse...

agora era aquela parte em que eu teria alguma inspiração para dizer algo supostamente inteligente e bonito, contudo e depois de lêr aquele poema do Bocage torna-se complicado e ainda a única coisa que consegui foi tentar fazer uma cópia do poema com um tema diferente e sem a parte cómica...eu tenho mesmo que tirar a reforma, já adiei muito tempo...

Céu que reconforta a alma,
que nos dá paz que nos dá calma
que nos espia
seja noite, ou seja dia
que nos atrai e nos socega
que nos inspira e nos carrega
que nos envolve neste mundo
das nuvens no ceu profundo


qualquer dia quando a suposta inspiração voltar eu talvez possa vir a melhorar alguma coisa...

milocas disse...

;)
Não tentes melhorar a perfeição na simplicidade das palavras sentidas.

Escreve-as tal qual as "sentes"..e para isso, não é preciso inspiração. ;)

Beijú *

ruben disse...

Esta é simplesmente a diferença entre um submarino e um avião, o submarino afunda-se um avião elevasse...eu como submarino auto-baptizo-me NAUFRÁGIO acho que me cai que nem uma luva :)

Jokas